Notícias

    11/11/2015
    Carta de apoio à Greve dos Petroleiros

    São Paulo, 06 de novembro de 2015. 

     

    PORQUE A SOCIEDADE DEVE APOIAR A GREVE DOS PETROLEIROS

     

     Os petroleiros e petroleiras do Brasil decidiram entrar em greve, após amplo processo de negociação com a Diretoria da Petrobrás sem terem atendidas as reivindicações da categoria. 

    Conclamamos a todo o povo brasileiro para apoiar a greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás pelos seguintes motivos: 

    1. Os petroleiros(as) entraram em greve porque não aceitam que a Petrobrás e o petróleo do Brasil sejam privatizados. A luta é contra a privatização, em defesa da vida e da soberania. A maior empresa dos brasileiros sofre graves ataques que vem do capital financeiro, dos cartéis empresariais, da mídia, do judiciário e de todos que querem a sua privatização. A estratégia do capital é impor uma reorganização para a privatização. Com um plano de desinvestimento, a atual diretoria da Petrobrás quer privatizar partes da empresa, entregando o que é do povo brasileiro para as empresas privadas internacionais e nacionais, o que causará perda de soberania e a entrega de um setor estratégico para o desenvolvimento nacional, além de causar grandes aumentos nos preços do gás de cozinha, combustíveis e demissões de trabalhadores e trabalhadoras.  
    2. A greve dos petroleiros(as) exige o fim do ajuste fiscal do atual governo. Este ajuste fiscal só aumenta as dificuldades econômicas do Brasil, retira os ganhos que o povo brasileiro teve nos últimos anos e não resolve o problema da crise. Os petroleiros(as) exigem que a Petrobrás volte a realizar todos os investimentos necessários na exploração, refino e distribuição de petróleo e com estes investimentos se retome a industrialização e a geração de postos de trabalho no petróleo, como por exemplo a produção de todos os equipamentos necessários – navios, sondas, plataformas- para reaquecer a indústria naval nacional gerando mais empregos para nosso povo em nosso território. 
    3. A greve dos petroleiros(as) quer a manutenção dos empregos e dos ganhos que a população teve nos últimos anos e exige que os recursos provindos da produção do petróleo seja usado para as áreas sociais em nosso país. Em especial, para que os recursos do pré-sal sejam para educação, saúde, emprego e direitos do povo brasileiro. Por isso a greve luta para não haver retrocessos nas leis do petróleo.
    4. A greve deve ser apoiada pois esta categoria profissional é muito importante para o Brasil. São os trabalhadores e trabalhadoras petroleiros que sempre e em qualquer condição produzem a partir do petróleo, inúmeros produtos necessários e fundamentais para o desenvolvimento do nosso país. Esta categoria profissional sempre esteve a favor do desenvolvimento nacional e da geração de empregos em nosso país, e com seu trabalho produzem riquezas para todo o povo brasileiro. 
    5. Porque é absolutamente justo que a categoria dos petroleiros tenham sim seus direitos reconhecidos tanto pela Petrobrás quanto pelo governo, recebendo seus salários com os reajustes necessários e tendo boas condição para sua vida e seu trabalho. E por fim, porque os trabalhadores em greve não compactuam com nenhuma prática de desvios dos gestores e dos cartéis empresariais que tentam se aproveitar desta importante empresa do povo brasileiro.

    A Greve dos(as) Petroleiros(as) é justa e necessária, é para o bem do Brasil e do povo brasileiro que devemos apoiar a greve. Todo apoio à greve. 

    O petróleo é nosso. Defender a Petrobrás é defender o Brasil. 

    Privatização não é a solução. 

     Assinam 

    Central Única dos Trabalhadores - CUT SP, 

    CNU ‐ Confederação Nacional dos Urbanitários,

    Confetam ( Confederação dos Trabalhadores (as) no Serviço Público Municipal,

    Consulta Popular – CP,

    CUT Nacional,

    Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado de São Paulo (FTIUESP),

    FENET- Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico,

    FISENGE - Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros,

    FNU - Federação Nacional dos Urbanitários,

    FRUNE ‐ Federação Regional dos Urbanitários do Nordeste,

    FSU ‐ Federação Regional dos Urbanitários do Sul,

    FUAL ‐ Federação Regional dos Urbanitários do Norte,

    FUP - Federação Única dos Petroleiros (Sindipetro AM; Sindipetro CE/PI; Sindipetro RN; Sindipetro PE; Quimicos e Petroleiros da BA; Sindipetro MG; Sindipetro ES; Sindipetro Caxias; Sindipetro NF; Sindipetro Unificado SP;  Sindipetro PR/SC; Sindipetro RS), 

    FURCEN - Federação Regional dos Urbanitários do Centro‐Norte,

    Ins. Paulo Freire, 

    Intercel,

    Intersul,

    Jornal Página 13,

    Juventude Revolução, 

    Levante Popular da Juventude – LPJ, 

    Marcha Mundial das Mulheres  - MMM,

    MLB- Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas,

    MLC- Movimento Luta de Classes,

    Movimento Camponês Popular - MCP,

    Movimento dos atingidos por barragens – MAB, 

    Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA, 

    Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, 

    Plataforma Operária e Camponesa de Energia, 

    Revista Esquerda Petista,

    Senge PR,

    Senge RJ,

    SINAERJ ‐ Sindicato dos Administradores no Estado do Rio de Janeiro,

    Sindicalistas do Projeto Popular,

    Sindieletro MG,

    Sinergia CUT,

    SINTAEMA, 

    STIU-DF,

    UJR- União da Juventude Rebelião,

    UP- Unidade Popular Pelo Socialismo,

    Valdeli Guimarães,

    Via Campesina Brasil.